Terça, 25 de Janeiro de 2022
23°

Pancada de chuva

Itacoatiara - AM

Saúde SAÚDE

FVS-RCP atualiza o cenário de rabdomiólise no Amazonas

.

27/12/2021 às 10h56
Por: Portal R5 Fonte: Amazonas
Compartilhe:
FOTO: Divulgação/FVS-RCP
FOTO: Divulgação/FVS-RCP

Novo boletim de rabdomiólise é divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), nesta quarta-feira (22/12). O documento, que atualiza o cenário epidemiológico da doença no Estado para 132 casos de rabdomiólise, entre 21 de agosto a 21 de dezembro, sendo destes 75 (57%) compatíveis para doença de Haff e 57 (43%) foram descartados pela equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Amazonas (CIEVS/FVS-RCP).

Nos últimos 14 dias (07 a 21/12), foram registrados cinco novos casos, todos no município de Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus). O boletim pode ser acessado através do link:https://bit.ly/3FqXMlO.

Os casos considerados compatíveis foram notificados em 10 municípios, sendo eles: Itacoatiara (44), Parintins (12), Manaus (6), Urucurituba (4), Silves (3), Maués (2), Manacapuru (1), Itapiranga (1), Autazes (1) e Caapiranga (1). Destes, dois casos evoluíram para óbito e ocorreram em Itacoatiara.

Entre 75 casos compatíveis, os casos predominantes são do sexo masculino, o que representa 61% (46/75) dos casos e a faixa etária de 40 a 59 anos foram os mais acometidos, totalizando 39% (29/75) dos casos, seguido pela faixa etária acima de 60 anos, com 24% (18/75).

De acordo com a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, os sintomas normalmente surgem dentro das primeiras 24 horas após a ingestão de peixe. “Nas primeiras horas, costuma surgir um quadro de mialgia, 100% dos pacientes apresentaram mialgia, com outros sintomas associados”, informou.

A coordenadora do CIEVS/FVS-RCP, Josielen Amorim, ressaltou que a instituição trabalha em parceria com as Vigilâncias Epidemiológicas municipais. “As vigilâncias desses municípios estão trabalhando para que os casos sejam identificados imediatamente e notificar os casos para monitoramento”, destacou.

Josielen acrescenta que uma das dificuldades encontradas é o rastreamento da origem dos peixes. “Muitas vezes eles são comprados em mercados e trazidos por pescadores sem identificação da origem. Quando o peixe é consumido por ribeirinhos, que pescaram, fica mais fácil de identificar as áreas onde esses peixes são pescados”, frisou a coordenadora do CIEVS/FVS, adicionando que a FVS-RCP segue cuidando da notificação imediata e envio de amostras de sangue, urina e quando possível, do resto de pescados.

Por se tratar de uma doença de etiologia em estudo, a rabdomiólise segue padrões rígidos de investigação.

Força-tarefa – O grupo de trabalho de investigação é composto pela FVS-RCP; Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM); Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf); Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Universidade Federal do Amazonas (Ufam); Universidade Estadual do Amazonas (UEA);  Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz-Amazônia); Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa); e Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA/AM), do Ministério da Agricultura e Ministério da Saúde.

Referência – A FVS-RCP é responsável pela Vigilância em Saúde do Amazonas, que inclui o monitoramento de doenças e a notificação ao Ministério da Saúde, pelo Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (CIEVS).

A instituição funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na avenida Torquato Tapajós, 4.010, Colônia Santo Antônio, Manaus. Contato telefônico da FVS-RCP (92) 2129-2500 e 2129-2502.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias